Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

O GURU DO SEXO TÂNTRICO E OS SEUS CÃES CONSELHEIROS VIA TELEPATIA

Junho 09, 2024

J.J. Faria Santos

20240608_174447.jpg

O homem define-se como um “anarcocapitalista”, tem publicações académicas, trabalhou como analista financeiro e, mais recentemente, fez carreira como comentador televisivo; gaba-se de ser um guru do sexo tântrico e é adepto do traço grosso no simbolismo, daí a motosserra como metáfora dos cortes orçamentais; e o seus melhores conselheiros, com quem tem conversas telepáticas, são os seus cinco cães, todos clonados, o que lhe terá custado cerca de 50 000 dólares, não duvidando nós de que, seguramente, terá efectuado uma análise custo-benefício. Eis o material de que é feito um estadista liberal latino-americano.

 

6 meses de mandato de Javier Milei na Argentina resultaram num desempenho que o previsível FMI classificou de “impressionante”, mas também numa recessão técnica. Se a inflação está em desaceleração, a taxa de pobreza aumentou para 55,5% no primeiro trimestre de 2024. Em consequência, os hábitos de consumo alteraram-se: 35% das pessoas deixaram de adquirir produtos que compravam habitualmente e 55% delas fazem as compras em função da necessidade imediata, tendo em conta ofertas e promoções. Milei congelou as obras públicas e anunciou o despedimento de 70 000 funcionários públicos.

 

O político cuja vitória foi celebrada efusivamente por militantes da portuguesa Iniciativa Liberal, entrevistado pela Time, mostrou hostilidade perante a imprensa livre, apelidando os jornalistas de “extorsionários” e “mentirosos”. A revista escreve que “muitos do que interagem com ele dizem que ele vê o mundo sob o prisma dos memes da extrema-direita”. Num acto facilmente confundível com nepotismo (mas talvez seja meritocracia…), o Presidente nomeou para Secretária-geral da Presidência a irmã, uma ex-leitora de tarot que, de acordo com a Time, agora “controla quais os jornalistas com quem o irmão fala, que fotos dele podem ser publicadas, e, alegadamente, que ministros nomear e demitir”.

 

Milei apresenta o cardápio completo dos populistas e extremistas autoritários. Despreza a igualdade de género, ataca os activistas climáticos e acha que a educação pública é equivalente a uma “lavagem cerebral”. Adepto ferrenho do mercado livre, chegou até a defender a comercialização de órgãos humanos. Como o definiu um diplomata americano, por oposição a Donald Trump, Milei é um “verdadeiro crente”, ao passo que Trump só “acredita nele próprio”. Talvez por isso, Milei, diz-se, terá feito constar que Deus o terá instigado a candidatar-se à presidência da Argentina.

 

Enquanto aguardam pela retoma que configuraria uma recessão em V, conforme prometido pelo Presidente, resta aos argentinos obter alguma forma de alívio face à dose cavalar de “liberalismo”, porventura seguindo os conselhos terapêuticos do guru do sexo tântrico. Porque afinal, como já explicava há quase 100 anos Cole Porter no tema Let’s Do It: “Some Argentines without means do it / People say in Boston even beans do it / Let’s do it, let’s fall in love”.

A POESIA BRUTA DA ECONOMIA DOMÉSTICA

Outubro 10, 2021

J.J. Faria Santos

190208173653-maid-stephanie-land-04-exlarge-169.jp

Cortesia de uma gravidez inesperada, de um namorado violento, de um pai abusivo e de um conjunto de empregos mal pagos, Stephanie Land viu-se atirada para a terra da pobreza, uma povoação mal-afamada, vista por parte dos afluentes como território dos incapazes, dos fracos, dos que sucumbem ao vício ou ao comodismo. Stephanie Land não se encaixa neste perfil estereotipado e injusto e a sua história, contada pela própria no livro Maid: Hard Work, Low Pay, and a Mother´s Will to Survive (Empregada Doméstica: Trabalho Árduo, Salário Baixo, e a Vontade de Sobreviver de uma Mãe), agora transformado numa série da Netflix, é um testemunho pungente de uma luta titânica pela sobrevivência e pela manutenção da dignidade.

 

Num ensaio para a Time, Land revela que quando assinou o contrato com a editora para a publicação do livro, era ainda a mãe solteira de duas crianças de 2 e 9 anos pressionada por um ordenado em atraso e forçada a reduzir na alimentação e a ingerir piza paga com um cheque careca. Nada de original para quem utilizou frequentemente senhas de alimentação (food stamps), cortava refeições e reservava a fruta fresca para as crianças. Mesmo o adiantamento que recebeu da editora para escrever o livro (“uma quantidade de dinheiro que não parecia real”) não lhe permitiu esquecer os 20 000  dólares para pagar referentes ao cartão de crédito, uma viatura constantemente avariada e os 50 000 dólares que devia de empréstimos que contraíra para estudar. Já para não falar do desequilíbrio emocional e mental.

 

Emily Cooke, na crítica que publicou no New York Times acerca deste livro, escreveu que, apesar de ele não ser particularmente virtuoso, devemos escutar uma autora que “ultrapassou as agruras dos anos de empregada doméstica, de corpo exausto e mente assoberbada por uma aritmética sombria, para nos doar o seu testemunho”. Cooke chama ao equilíbrio instável das despesas (renda, alimentação, combustível, seguros, etc.) e das receitas (ordenado ligeiramente acima do salário mínimo e o “escasso apoio governamental concedido em prestações com espectacular relutância”) “a poesia bruta da economia doméstica”. A propósito da “avareza” governamental, sempre me provocou asco a veemência com que alguns  esgrimem (com pouco fundamento, aliás) o argumento da fraude nos subsídios que pretendem mitigar a pobreza, por comparação com a suavidade com que lamentam as “irregularidades” na obtenção e utilização dos subsídios disponibilizados às empresas.

 

Numa estratégia de luta contra a pobreza, antes de se partir para uma abordagem multidimensional (que vai da assistência social à saúde, da habitação à educação, visando a autonomização dos sujeitos e a consistência das soluções personalizadas), é preciso não esquecer o patamar inicial de emergência, que exige acção imediata. Como escreveu Stephanie Land no seu ensaio na Time: “Quando as pessoas me perguntam como podem ajudar, eu digo-lhes para perguntarem às pessoas do que é que sentem necessidade. Aposto que as respostas serão coisas como tampões ou fraldas e dez dólares para combustível, porque a vida é tão tacanha e limitada quando se tem fome que não se exige habitação a custos controlados e um salário adequado. Isto é só para aqueles de nós que têm meios para lutar.”

 

IMAGEM: edition.cnn.com

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub