Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

SANGUE DO SEU SANGUE

Janeiro 09, 2022

J.J. Faria Santos

 

Dexter 2.jpg

Já não bastava a um serial killer com código ético gerir as circunstâncias de uma nova identidade e de um novo habitat, bem como as manifestações dos seus instintos (o seu “passageiro negro”) e dos eventuais efeitos da abstinência de matar, eis que surge um fantasma do passado a exigir aptidões de paternidade.  Quando Dexter Morgan, rebaptizado Jim Lindsay, que trocou o calor abrasador de Miami pelas paisagens geladas de Iron Lake (porventura mais consentâneas com a sua personalidade), viu subitamente emergir na sua habitação o filho Harrison, estava longe de perceber que a construção de uma figura paternal acarretaria não apenas o agudizar do instinto de protecção, com os riscos inerentes, como também deixar em suspenso a magna questão de saber se quem sai aos seus não degenera.

 

Dexter: New Blood, situada uma década depois do desaparecimento no olho de um furacão do mais célebre (mais celebrado?) dos assassinos em série, marca o regresso deste, a braços com um jejum (que se vai tornar intermitente?) de chacina e esquartejamento, que a Showtime pespega num cartaz com um mordaz “Long time no spree”. Aliás, as notas humorísticas são constantes, desde piscadelas de olho a outras séries (Fargo, por exemplo) até tangentes a Oscar Wilde. Se este terá dito, nos últimos dias de vida, lamentando a qualidade da decoração do seu aposento, segundo uns “Ou estas cortinas desaparecem ou desapareço eu” e segundo outros “Este papel de parede mata-me – um de nós terá de desaparecer”, o próprio Dexter acaba por ter uma exclamação do mesmo teor (“Eu deveria matar este tipo só por causa do papel de parede”).

 

Confesso que me é indiferente se o regresso de Dexter Morgan é produto da nostalgia de uma indústria que tem apostado no reboot de séries da era de ouro da TV ou se, por outro lado, é uma forma de emendar o desfecho da série original, quase unanimemente apontado como desapontador. Como escreveu Daniel Fienberg  no The Hollywood Reporter: “No seu ponto mais alto, Dexter Morgan era a apoteose do anti-herói da televisão de prestígio. Ele tinha a brutalidade cómica e negra de Tony Soprano, a duplicidade astuta de Don Draper e a moralidade equívoca de Walter White elevadas ao extremo.” Mesmo que apenas uma fracção desta irresistível equação se manifeste neste Dexter: New Blood, já é o suficiente para que nos detenhamos colados ao ecrã, embrenhados nas contradições de um protagonista capaz de fazer abanar os alicerces morais das nossas mais arreigadas convicções. Prova disso é que o nosso fascínio seja superior à nossa repulsa.

 

Imagem: imdb.com

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub