Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

PORTUGAL AMORDAÇADO (MAS CHIC E TRENDY!)

Maio 25, 2020

J.J. Faria Santos

IMG_3353-Edit_large.jpg

A noção da máscara facial como acessório de moda parece-me do reino do desvario. Mesmo tendo em consideração as compreensíveis estratégias de sobrevivência da indústria ou o conceito louvável de conferir leveza, colorido e estilo a um equipamento de protecção individual, a ideia de que é possível estabelecer uma equivalência, por exemplo, ao uso de um cachecol parece-me impraticável por pressupor uma irrealista normalização do uso. Por mais confortável e sofisticada que seja, uma máscara será sempre uma barreira a duas das mais vitais actividades inerentes à natureza humana: respirar e falar livremente. Duas coisas que em circunstância alguma trocaria pelo glamour de uma assinatura de alta-costura.

 

Cultor escrupuloso da frequente higienização das mãos, seguidor das regras da etiqueta respiratória e do distanciamento social (neste último caso, ainda antes da pandemia – os aglomerados nunca foram o meu forte; prefiro ambientes mais restritos e íntimos), reservo a utilização da máscara para os locais onde o seu uso é obrigatório, e onde permaneço o mínimo de tempo possível para completar a tarefa que me levou lá. Para além da obrigatoriedade legal, faço-o porque, citando a Informação 009/2020 de 13/04/2020 da DGS, “de acordo com o Princípio da Precaução em Saúde Pública, e face à ausência de efeitos adversos associados ao uso de máscara, deve ser considerada a utilização de máscaras por qualquer pessoa em espaços interiores fechados com múltiplas pessoas, como medida de proteção adicional ao distanciamento social, à higiene das mãos e à etiqueta respiratória”, mesmo considerando que “a eficácia da utilização generalizada de máscaras pela comunidade na prevenção da infeção não está provada”.

 

Admito que faça sentido a utilização da máscara como acessório de moda em determinados contextos (por exemplo, no desfile de uma colecção, como complemento à explosão de criatividade que se reflecte no desenho da peça, nos tecidos, nos padrões ou nas texturas), mas a ideia de um qualquer ícone de estilo completar o outfit com um apetrecho facial com griffe para assistir a um “evento” afigura-se-me desajustado. Defeito meu, certamente, que jamais conseguiria participar na espécie de self-service de tagarelice que constituem certas reuniões sociais sem sequer contemplar na sua inteireza os rostos dos convivas, ocultos por um acessório que evoca o risco de contágio. A máscara social tem este efeito em mim: torna-me associal.

 

Imagem: www.giorodrigues.com

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D