Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

POESIA CONTRA A PANDEMIA (EXCERTOS)

Abril 20, 2020

J.J. Faria Santos

hopper9.jpg

“Porque não me telefonaste,

perguntou o rapaz à rapariga.

Ontem à noite, fiquei à espera. E agora,

já não sei se hei-de continuar a pensar

em ti ou a esquecer-te. O amor,

pássaro medroso, bate as asas

lentamente, sem muita convicção.”

         João Camilo – Um filme desconexo

 

“Viver condor

(transferência de um estado doloroso

Para o nome de uma ave de rapina),

Pôr o amor à distância?

(…) Só a distância é que nos salva?”

         António Barahona – Poema de desencanto e de combate

 

“A cidade desagrega-se docemente,

mal iluminada – tudo molhado, escuro,

escorregadio – e eu continuo de pé.

Tantas solidões insaciáveis certamente

acabarão por se cruzar nalgum ponto.”

         Diogo Vaz Pinto – Deixa-me apenas isto, beber a penumbra

 

“Pouco importa que tenha chegado a aurora

aos bares que cumprem horário nocturno

e o cheiro dos desinfectantes mostre

como se apagam

os vestígios do amor”

         José Tolentino Mendonça – Patti Smith explica o Cântico dos Cânticos

 

“não entrei na casa,

não tinha as mãos lavadas

para bater à porta.

ao fundo do jardim,

perto de quatro paredes de guardar o Céu,

um anjo jazia com pouco respirar.”

         Emanuel Jorge Botelho – Esboços de iluminura

 

“Tenho tristezas como toda a gente.

E como toda a gente quero alegria.

Mas hoje sou de um céu que tem gaivotas,

leve o diabo essa morte dia a dia.”

         Eugénio de Andrade – Com as gaivotas

 

“Eu já nem sei o que tenho

se febre se mal ruim

se este sentimento estranho

de não ser de aonde venho

comigo longe de mim.”

         António Lobo Antunes – Vodka & Valium (rumba)

 

“Ficávamos no quarto, onde por vezes

o mar vinha irromper. É sem dúvida em dias de maior

paixão que pelo coração se chega à pele.

Não há então entre eles nenhum desnível.”

         Luís Miguel Nava – Paixão

 

“Quando a noite chega o maravilhoso não escurece.”

         Gonçalo M. Tavares – Quando a noite chega o maravilhoso não escurece

 

Imagem: Second Story Sunlight, quadro de Edward Hopper

                      (Courtesy of Bert Christensen)

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D