Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

O NOSSO HOMEM NO PALÁCIO DE BELÉM

Junho 10, 2019

J.J. Faria Santos

 

Marc_Trump.png

“O melhor da vida está em provocar um facto, tirando a Deus a prioridade”, escreveu Agustina Bessa-Luís em A Ronda da Noite. Eis uma asserção que certamente merecerá a concordância do consumado criador de factos políticos chamado Marcelo Rebelo de Sousa. Falando em inglês, na FLAD, assumiu a sua eterna vocação de pundit, relegando para um plano secundário a discrição e a subtileza que o cargo que ocupa poderia justificar. Claro que sempre me pareceu que a sua magistratura se tem caracterizado por um desejo irreprimível, por uma tensão latente entre o sentido de Estado e a volúpia de pôr o Estado em sentido a tentar adivinhar os seus próximos passos.

 

 É “muito preocupante” a situação da direita, disse ele, para acrescentar: “Com um governo forte de centro-esquerda e uma oposição de direita fraca, cabe ao Presidente, não equilibrar, porque não pode ser oposição a nenhum governo, é claro, mas ser muito sensível e sentir que é preciso ter um equilíbrio no sistema político.” Clarificando: não cabe ao Presidente “equilibrar”, compete-lhe “sentir a necessidade de equilíbrio”. E quem irá promover esse “equilíbrio” senão ele? Está inaugurada uma nova etapa de uma presidência marcadamente sensorial: depois do tacto (os afectos) e da estimulação visual (as iconográficas selfies), entramos agora no território das convicções mais íntimas e das avaliações de grande precisão.

 

Para completar a análise à conjuntura política, não deixou de teorizar acerca da influência que o resultado das eleições legislativas poderá ou não ter na decisão de se recandidatar. Pelo menos é um factor menos esotérico que alguns previamente avançados, tais como a permanência da Web Summit em Portugal ou a realização das Jornadas Mundiais da Juventude em 2022 (presumindo que “não há ninguém em melhores condições para receber o Papa”). Não deixa de ser irónico que ao tentar dar conforto à área política de que provém Marcelo tenha causado desagrado à liderança dos partidos que a compõem, mas presumo que isso tenha constituído para ele um prazer pouco secreto. Nesta fase, é difícil “equilibrar” o anseio de sucesso da direita partidária com o seu desígnio pessoal de ser reeleito com uma percentagem de votos recorde.

 

São José Almeida escreveu no Público que ele se assumiu como “líder natural da direita”. E o institucional Expresso opinou em editorial que o Presidente pôs “o carimbo a oficializar o óbito” da direita, considerando que “um árbitro não pode anunciar o resultado antes do apito final”, para mais adiante reconhecer o óbvio: que ele se posicionou como “jogador”. Quem na direita se sentirá representado por Marcelo de forma a exclamar: “Este é o nosso homem em Belém”? Suspeito que é questão que não o angustia. No meio das mil e uma conjecturas com que a sua lendária inteligência preencherá as altas horas de ócio, decerto tomará como suas as palavras que Shakespeare colocou na boca de Marco António: “Agora é deixar correr. Discórdia, estás a caminho. Toma o rumo que quiseres.”

 

Imagem: Wikimedia Commons

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D