Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

MANUEL, ANDRÉ, JOACINE

Novembro 12, 2019

J.J. Faria Santos

1280px-The_Portuguese_Empire.png

Saudoso do esplendor perdido de Portugal, o jovem Manuel Bourbon Ribeiro escreveu, via Observador, uma carta em tom lamentoso ao seu “querido” país, a quem ora pede que ajude a sua geração a ter uma “educação que (…) permita sonhar”, ora censura por “cortar as pernas à iniciativa privada”, a quem sobrecarrega de impostos. Com o voluntarismo e as certezas inabaláveis dos seus ternos 17 anos, o Manuel enumera na sua missiva todo um programa ideológico conservador nos costumes – deplora que o seu “querido” país promova “a ausência de diferenças entre raparigas e rapazes”, “acabe” com a vida dos doentes terminais e não defenda a vida humana. Infelizmente, o facto de ser estudante de Direito não evitou que resvalasse para o populismo mais básico e a generalização mais abusiva, quando afirmou que “hoje quem governa, ou suborna ou vai para a prisão”. Nem o inibiu de cometer o erro crasso de considerar que o seu “querido” Portugal não fez “a vontade ao povo”, porque “quem governou durante 4 anos nem sequer ganhou as eleições”. Saúde-se a vontade de intervenção cívica numa epístola claramente condicionada por uma visão parcelar e pouco maturada de um país que já não é “tão grande como outrora”. Tanto apego ao passado em quem tem tanta sede de futuro. E que diria ele se o país não lhe fosse tão “querido”?

 

Um notável trabalho jornalístico de Fernanda Câncio para o Diário de Notícias permitiu expor as contradições flagrantes entre a tese de doutoramento de André Ventura e o seu discurso político. No trabalho académico, por exemplo, Ventura censurou a estigmatização dos muçulmanos quando são “associados de modo superficial ao terrorismo”, considerou Portugal “um dos países mais pacíficos do mundo” e criticou os políticos que “se aproveitam (…) da generalizada vontade de punição do público”. Confrontado pela jornalista, Ventura defendeu o facto do programa do Chega aludir à “insegurança crónica” de Portugal como sendo uma “percepção” que ele e os cidadãos têm. Portanto, os dados dos relatórios fariam parte da “análise científica”, sendo que ao líder político parece competir reforçar estereótipos e percepções erróneas. O mais irónico é que Ventura cai involuntariamente no auto-retrato quando afirma a Câncio que “um populista é alguém que usa de forma abusiva os anseios de uma população para manipular as suas aspirações e para conseguir triunfar”. O que noutras circunstâncias seria mais do que suficiente para descredibilizar um político é, neste caso, perfeitamente irrelevante. O seu nicho de eleitorado, o seu núcleo duro, vai continuar a aplaudir as suas vociferações. Já será bom se o debate político e trabalhos jornalísticos como o de Câncio servirem para conter o populista demagogo, para o remeter à condição de ídolo dos profissionais da indignação e dos que privilegiam a reacção à reflexão.

 

A “indústria” das petições é algo que me diverte, quando não me repugna. Que mais de 22 000 pessoas tenham apoiado e assinado uma petição a favor do “Impedimento de tomada de posse da Impatriota Joacine Katar Moreira”, a pretexto de uma fundamentação absurda e disparatada, é surpreendente e lamentável. Como o é que as pessoas dediquem a sua energia a manifestações de ódio irracional. A deputada do Livre vem acrescentar representatividade e diversidade ao Parlamento Português e é salutar que apresente e defenda as suas causas. Do mesmo modo, é expectável que seja confrontada com as suas ideias e as do partido que representa. A campanha de desinformação de que foi alvo poderá ter como consequência uma reacção mais epidérmica e menos ponderada à crítica legítima. É por isso que a maneira como Joacine encarou as críticas de Daniel Oliveira (que entre outras coisas censurou a conversão do Livre à “agenda identitária”) não foi particularmente feliz. E a forma como admoestou a jornalista que a entrevistou para o Expresso, e que a inquiriu se não teria exagerado ao associar Oliveira à direita e à extrema-direita (“Ainda vai insistir nisto? Não me irrite, a sério. Não insista.”), mostra melindre em vez de disponibilidade para o debate. Melhor seria que reservasse a animosidade e a acutilância para os desqualificados que brandiram contra ela a arma da mentira e para os adversários políticos, em vez de se barricar no ressentimento contra quem, como Daniel Oliveira, não deixou de salientar que ela foi “atacada de forma abjecta”.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D