Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

A PENSAR É QUE A GENTE SE ENTENDE

Novembro 05, 2019

J.J. Faria Santos

800px-Facebook_Pills.jpg

O mundo em que vivemos incita-nos a comentar, intervir, promover produtos, acções e ideias na esfera pública. Em permanência. De tal maneira que parece uma forma de abstenção cívica e social não comentar a gaguez de Joacine e a saia do seu assessor, o caso da freira de um mosteiro italiano que foi ao médico com queixas de dor de estômago e descobriu que estava grávida ou o pouco subtil paralelo estabelecido por Nuno Melo entre Marcelo e André Ventura, pelo facto de ambos terem sido eleitos após anos de comentário televisivo. Por vezes, parece-me que toda a gente tem algo de relevante a acrescentar ou pelo menos sente a necessidade de marcar presença. Serei o único a ter a percepção de que se determinado assunto foi devidamente esclarecido e escalpelizado, sujeito a contraditório e debate, a minha opinião pode ser dispensável ou supérflua?

 

Javier Marías escreveu em Coração tão branco que “(..) é tão fácil não responder ao que não se deseja com quem comenta tudo e fala sem parar, as palavras sobrepõem-se e as ideias acabam por se perder, embora às vezes, se se insistir, regressem”. Sim, a nossa intervenção nas redes sociais e no espaço público em geral deveria ter sempre as ideias como ponto de partida. De preferência reflectidas e maturadas. E deveríamos fazer um esforço para evitarmos as afirmações definitivas, as condenações sem apelo, o atoleiro em que se transforma a indignação quando decisões complexas ou atitudes irreflectidas mas irremediavelmente humanas são impiedosamente censuradas com a facilidade de um teclar numa caixa de comentários.

 

Javier Marías escreveu também que “as coisas difíceis parecem possíveis depois de pensarmos um pouco sobre elas, mas tornam-se impossíveis se pensarmos de mais”. É uma frase que, se à primeira vista, parece associar o excesso de reflexão à passividade e à desistência, pode igualmente ser entendida como um aviso contra o voluntarismo e a impulsividade. Não devemos ter medo de encarar desafios difíceis, mas também não devemos recear o acto de pensar, sobretudo se ele servir para refrear os nossos instintos mais primários.

 

(Coração tão branco de Javier Marías tem edição da Alfaguara e tradução de Fátima Alice Rocha)

Imagem: Wikimedia Commons

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D