Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

A ANDRÓIDE, A PORCELANA E A TEMPESTADE

Dezembro 05, 2013

J.J. Faria Santos

Os motivos de inspiração vão da “ideia de Ennio Morricone a jogar cartas com Duke Ellington” até à “cena do Jeep no filme Carmen Jones”, passando por Stevie Wonder e Michael Jackson. Os temas foram-lhe entregues pelo seu alter-ego, Cindi Mayweather, uma heroína andróide. Para a concretização do projecto, Janelle Monáe requisitou as colaborações vocais de Prince, Erykah Badu, Esperanza Spalding, Miguel e Solange.

The Electric Lady  tem uma sonoridade cinematográfica, oscilando entre a mensagem de empowerment  dos chick flicks  e os arrebatamentos amorosos da comédia romântica com uma pitada do visionarismo da ficção científica. Em Ghetto Woman, prega-se as virtudes da persistência e da resistência (“Hold on to your dreams”), e em We Were Rock & Roll evocam-se tempos de ilusão e crença em que “tínhamos vinte e um anos e julgávamos ser donos do sol”. Para além de ter criado uma sonoridade original, Janelle Monáe tem elasticidade vocal e um timbre bastante agradável, sendo extremamente competente nas notas mais altas, sem cair na estridência ou na acrobacia (o que é particularmente verificável no tema Victory . The Electric Lady  é um notável exemplo do que de melhor se faz no âmbito da música negra contemporânea ( do r’n’b à balada soul ), aquela que se banha no classicismo para desbravar novos rumos.

 

Eles já tinham a porcelana (China Forbes). Agora adicionaram a tempestade (Storm Large). A nova aquisição do colectivo Pink Martini interpreta no mais recente álbum do grupo uma surpreendente versão do clássico Quizás, quizás, quizás. Storm, uma ex-roqueira, em vez de emular o ritmo sincopado da fúria latina (ou o desespero lacrimoso da mulher despeitada) entrega-se a uma recriação com souplesse, contida e langorosa. Com igual competência, atirou-se a uma versão mais convencional de Sway , bem como a uma melodia tradicional romena. Por seu lado, China Forbes brinda-nos com duetos com Rufus Wainwright e Philippe Katerine, para além de recuperar um clássico de Irving Berlin. O CD encerra com a participação especial da veterana Phyllis Diller, interpretando um tema de Charlie Chaplin: Smile. A ausência de frescura é largamente compensada pela maturidade e intensidade interpretativas.

Fazendo jus ao espírito universalista da banda, para além das línguas inglesa e romena, em Get Happy  canta-se também em francês, espanhol, alemão, japonês, chinês, turco e farsi. O fundador e pianista Thomas Lauderdale, citado pela jornalista Helen Brown no The Telegraph, explica que os Pink Martini sendo fundamentalmente uma banda americana representam uma “América mais inclusiva”.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D