Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

OS PIRATAS DA EUROLÂNDIA

Março 27, 2013

J.J. Faria Santos

                                "No one's watching" de Andrea Kowch

                                        (Courtesy of www.bertc.com)

 

“Os piratas cercam Chipre” foi o título do post  publicado por Steve Coll a semana passada no sítio da New Yorker . Sem papas na língua, o autor definiu a proposta do Eurogrupo de taxar os depósitos bancários naquele país como “um acto de pirataria”. Enfatizando o cisma Norte-Sul, Coll denunciou a discriminação implícita na forma como os países endividados do Sul são tratados, chegando ao ponto de se interrogar: “será excessivo chamar-lhe racismo?”.

Acerca desta questão, Paul De Grauwe, num artigo escrito para o Expresso (edição de 8.12.2012), foi lapidar: “Os países do Norte da Europa são tão culpados como os do Sul (...) o Norte da Europa, e especialmente a Alemanha e os Países Baixos, acumularam grandes excedentes de exportações. Os alemães e os holandeses ficaram muito contentes por vender os seus produtos e serviços aos pecadores da Europa do Sul. Essas vendas foram financiadas com crédito providenciado pela banca alemã e holandesa”.

Na verdade, não deixa de ser extraordinário que instituições sempre tão pressurosas em assegurar a estabilidade do sistema financeiro, e em alerta máximo perante a ameaça do risco sistémico, tenham avançado com uma proposta tão susceptível de gerar instabilidade. A menos que se trate de uma invulgar afirmação de originalidade – segundo The Economist, “das 147 crises bancárias listadas pelo FMI desde 1970, em nenhuma delas se infligiram perdas aos depositantes, independentemente das quantias detidas e dos bancos onde estavam guardadas”.

Face à mirabolante sucessão de acontecimentos que agrava a dissensão em detrimento da cooperação no seio da União Europeia (já para não falar do problema endémico da democraticidade), ganha cada vez mais actualidade a interrogação de Jacques Le Goff produzida em 1996 na obra “A Europa contada aos jovens”: “Em direcção à unidade ou em direcção ao desmembramento?”. Dezassete anos depois, The Economist tem uma justificação prosaica  para que este desmembramento não ocorra: “O euro estava destinado a ser a manifestação de um grande projecto político. Parece-se mais com um casamento sem amor em que é o custo da separação  aquilo que mantém os parceiros juntos”.

Numa altura em que na Europa, no diagnóstico certeiro de Joseph Stiglitz (Expresso, edição de 9/02/2013), “ existe uma ênfase continuada na austeridade, com autofelicitações sobre o progresso feito até agora, e uma resolução reafirmada em continuar num rumo que mergulhou toda a Europa na recessão”, é lamentável que a Comissão Europeia pareça ter abandonado à sua sorte os estados-membros mais pequenos. Esta supressão de solidariedade é mais alarmante ainda numa altura em que estão em perigo dois dos princípios instituídos na Carta Europeia dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores, adoptada no Conselho Europeu de Estrasburgo em 9 de Dezembro de 1989, designadamente os pontos 2 e 4, respectivamente: “Direito ao emprego e a uma remuneração equitativa” e “Direito à protecção social”.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D