Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

UM CONTO DE NATAL (IV)

Dezembro 22, 2012

J.J. Faria Santos

4. Xavier

 

 

Ainda mal pousara a mala do portátil quando o telemóvel tocou. Viu o nome dela no visor e carregou na tecla do telefone verde, ainda antes de fechar a porta à chave. Rodopiou sobre si mesmo e dirigiu-se em direcção à garrafa de JB, vertendo uma apreciável quantidade para um copo. Quando ela começava a falar não era facilmente interrompível, nem se distinguia pela capacidade de síntese ou pelas hesitações no discurso. Em suma: podia facilmente esvaziar o copo, e até mesmo pô-la em alta-voz e circular quase indefinidamente pelo apartamento, sem correr o risco de perder o fio à meada ou ser interpelado.

Já tinham passado cinco anos desde que se divorciara de Marina e ela continuava a telefonar-lhe todas as semanas. Sob qualquer pretexto. Era como se dispensasse a presença dele, mas achasse conforto no quase monólogo que, fatalmente, acabaria por protagonizar. Era como se ele fosse o seu psicoterapeuta, com o bónus de não ter de se deixar condicionar por qualquer indicação terapêutica. Ela comandava o discurso, o modo de interacção, o tempo. Ele não se importava. Sempre o distraía das peripécias laborais, que incluíam o tonto bailado de adoração da sua secretária (sim, caíra em tentação, sucumbira a um cliché que o mortificava…). Eva era uma mulher repleta de qualidades, mas terrivelmente monótona e cheia de expectativas irrealistas em relação a ele, a eles. Vivia na ilusão de que ninguém no escritório suspeitava do relacionamento, julgando ocultar a devoção da amante com a performance irrepreensível da profissional. Fora um erro e ele dissera-lhe, consciente que estava de que tudo não passaria de uma noite em que ele optara por satisfazer o corpo e aplacar o espírito. “O amor nunca é um erro”, dissera Eva, e ele experimentara uma quase náusea, um desprezo, injusto e injustificado, sabia-o, pelas patéticas convicções das mulheres que escolhem ser iludidas.

“O Marco acha que ela está na ponte. E que pode fazer algo de estúpido!”, disparou Marina, despertando nele a rememoração de um instantâneo visual que permanecera na galeria da sua memória recente.  Minutos antes, enquanto a mão tacteava a chave de casa no bolso do seu blusão de cabedal, desviara o seu olhar para a ponte e, por instantes, julgara ver algo de familiar numa silhueta debruçada sobre o rio.

 

(Continua)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D