Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

UM CONTO DE NATAL (II)

Dezembro 18, 2012

J.J. Faria Santos

2. Marco

 

 

“S.O.S. ou L.O.L?”, escrevera ela, depois de se recusar a falar com ele. Barricado na casa de banho, encostado à parede, testemunhava no espelho à sua frente o estupor que adivinhara enquanto estivera sentado na sanita, dividido entre a indecisão e a suspeita da impotência. Conseguia ouvir a algazarra do Martim, excitado com os presentes, com os avós, com as luzes, com as guloseimas. E até mesmo a Matilde, mais nova, que sempre o emocionava com a atenção extática com que absorvia pela enésima vez a leitura teatral que ele fazia da história da Cinderela, habitualmente mais circunspecta, contribuía para o alarido. Mais cedo que tarde, a Guida perguntaria com fingido agastamento: onde está o pai?

O que fazia ele ali, clandestinamente a tentar falar com quem não o queria ouvir? E com que direito é que Lana reaparecera na vida dele, vinte anos depois, como se quisesse obliterar o tempo, como se pretendesse recuperar sensações, e cobrar dívidas sentimentais e juros de mora por alegados incumprimentos reiterados. E, pior, por que motivo se deixara ele cair na emboscada da culpa? Mas, culpa de quê? E logo ele que não tinha tendência para a introspecção, e que via todo o deliberado remexer na ferida como uma falência da vontade e uma cedência ao adocicado remanso da vitimização.

Abriu a torneira e o jacto de líquido incolor ao chocar com as suas mãos produziu um borbulhar como numa fria ebulição. Ergueu-as até ao rosto e aspergiu-o com a água que não se escapara por entre os dedos numa espécie de baptismo profano. Enxugou o rosto e, ao afastar a toalha, observou-a por instantes, quase como se temesse que nela ficasse impressa a marca do seu desassossego. Talvez fosse melhor que tivesse ficado, se isso fosse garantia de que, ao reunir-se à restante família, ninguém notaria qualquer resquício de preocupação.

Ninguém notou. Entrou sorridente na sala, envolveu Guida com o braço direito, sinalizando mais amparo que posse, e preparou-se para o embate do afecto furioso de Martim e Matilde, num abraço de grupo que deixava sempre os seus sogros à beira de um ataque de comoção ternurenta. Foi, todavia, no meio desta celebração que ele percebeu que não se iria conseguir abstrair do que o incomodava. Arranjou um pretexto para se isolar e procurou no telemóvel o número de Marina.

 

(Continua)

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub