Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NO VAGAR DA PENUMBRA

NO VAGAR DA PENUMBRA

CRIMES DE LESA-MAJESTADE

Junho 06, 2012

J.J. Faria Santos

Imagem: freefoto.com

 

Não! Não vou escrever sobre a informalidade, o amadorismo, a megalomania, o despudor, a promiscuidade, a patente ausência de noção de serviço público que corroeu e corrói os serviços secretos. Esqueçam a “lista de compras” e os clippings, o panda e outros animais, os sms e os e-mails, os eventos sociais e as reuniões de negócios, os relatórios apócrifos e as guerras empresariais. Esqueçam…mesmo que se enterneçam com cenários de inquéritos em que o inquiridor vai recolher o testemunho a casa do inquirido, lhe manda mensagens de encorajamento ou de apelo à calma. Compreendam, porém, que os nossos serviços secretos não são o MI5 nem o FBI, são, outrossim, uma espécie de spies’r’us.

Não! Os crimes a que alude o título deste post  (fervorosamente hiperbólico…) são do domínio da ficção, o que não diminui a sua censurabilidade, sendo até passíveis de causar alarme emocional. A ideia aventada de transpor a saga de Hannibal Lecter para a televisão só seria admissível se pudesse contar com a interpretação de Anthony Hopkins. Ninguém mais será capaz de lhe conferir aquela mescla de erudição, sentido de humor e implacabilidade, de se abeirar do excesso sem cair no grotesco. Quem mais seria competente para emular a sua sofisticação de gourmet  em frases como “I ate his liver with some fava beans and a nice chianti” ? E quem mais poderia declamar frases como “I’m giving serious thought to eating your wife" , onde o frémito do desejo dá nova amplitude ao canibalismo (ou vice-versa), dando-lhe a adequada camada de ambiguidade, entre o jocoso e o ameaçador, sem derrapar para a vulgaridade?

Por outro lado, a ideia peregrina de fazer o 007 trocar o seu martini dry  pela cerveja é tão estapafúrdia que até parece ter saído do “ departamento de clipping” dos serviços secretos lusos. É verdade que podemos imaginar um Zé Gato, em plena missão ultra-secreta,  a sentar-se ao balcão de uma tasca, a lambuzar-se com a espuma da cerveja enquanto catrapisca uma operária do sexo de perna enredada, busto industrial e olhar glutão de desejo profissional, mas  James Bond?  Imaginá-lo de smoking  a aproximar-se de um bar de hotel, dissimuladamente a avaliar a disponibilidade da morena de decote vertiginoso, profissional e distinto, para acabar a pedir uma cerveja é uma afronta à nossa memória cinematográfica.

Perante estas duas heresias, só existe uma resposta admissível: não! E eu diria mesmo mais: não, não, não ,não…e não!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D