NO VAGAR DA PENUMBRA
30 de Agosto de 2016

music.jpg

Eu sei que o Verão ainda não acabou. Mas o fim das férias é sempre uma espécie de prenúncio de fim de estação. Inevitável como o destino. E não nos é permitido dizer, como Philip Roth de Coleman Silk, “Viu o destino à sua espera e não o quis. Compreendeu-o instintivamente e recuou espontaneamente” (in A Mancha Humana, edição Leya/RTP, tradução de Fernanda Pinto Rodrigues).

 

Regressei a 1993. Ao álbum Duets de Frank Sinatra, que os puristas encaram com distanciamento, estando implícito que uma certa decrepitude e um certo aproveitamento comercial atirariam as recriações de 13 standards para o reino do dispensável. Manifestamente exagerado. Ouça-se o soberbo arranjo de cordas que abre caminho para Sinatra em Witchcraft (“Those fingers in my hair / That sly come-hither stare”, começa ele por trautear), e depois a notável contribuição de Anita Baker, e percebe-se que a prestidigitação precede o irrecusável feitiço.

 

Aspirar à felicidade. Estar livre para os prazeres da vida. Maria Callas entoando o Sempre Libera da Traviata com o volume do auto-rádio no máximo a caminho da praia numa manhã inundada pelo luz de Agosto. Quem diz que o bel canto brilha mais nas récitas nocturnas em edifícios majestosos, ou se tem de escutar no silêncio de interiores almofadados em aparelhagens de alta-fidelidade?

 

No seu novo trabalho, 2ND TIME AROUND, Natasha Watts, cantora britânica associada a incontáveis hits da pista de dança que misturam house e soul, prossegue a sua inflexão para uma sonoridade em que soul e r’n’b prevalecem. Há um classicismo sedutor que se desprende de temas como Love Who You Are e Lonely. Não há aqui ritmos de aeróbica, exploração da sexualidade a roçar a boçalidade ou sequências de rap modernaças. Apenas bom gosto. E um tema de piano e voz a fechar.

 

Na banda sonora deste Verão também reinou Stevie Wonder. Querem tema mais apropriado ao estio que You Are The Sunshine of My Life? E para os fins de tarde cálidos ou para as noites ardentes, um soberbo manifesto de um amor não correspondido que não contempla a desistência (Overjoyed), e ainda a exemplificação do vírus do ciúme que se espalha graças à persistência de um perfume ou de um nome sussurrado em pleno sono (Lately). Sem esquecer My Cherie Amour, uma criatura “adorável como um dia de Verão” e “inacessível como a Via Láctea”.

 

publicado por J.J. Faria Santos às 14:45 link do post
Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
31
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Uma clarificação em resposta a interpelação do lei...
Bom dia, Mas do que li pelo menos das citações que...
blogs SAPO