NO VAGAR DA PENUMBRA
24 de Setembro de 2014

                              Billie Holiday fotografada por William P. Gottlieb

                                 (Fonte: Library of Congress - Jazz Photos)

 

Quando esta fotografia foi tirada, ela estava a escassos meses de completar 32 anos. Retratada com o seu fiel Mister, e com a gardénia a enfeitar o cabelo, Billie Holiday transmite uma luminosidade que parece querer exorcizar os seus dramas pessoais. A Enciclopédia da Editorial Verbo diz que ela se distinguiu “pela interpretação de canções numa voz ácida e velada, de fraseado sofisticado, imprimindo-lhes uma atmosfera de tristeza”. O que conferia intensidade a essa tristeza era a percepção de que ela era o resultado de uma vida vivida no lado errado da noite, onde o bálsamo para as feridas era o esquecimento. Ela própria confessou: “Estou sempre a regressar, mas nunca ninguém me diz onde é que eu estive”.

O que me agrada em Baby, I Don’t Cry Over You  é que a composição de Morton Krouse permite a Lady Day divergir do tema recorrente da mulher abandonada ou incompreendida, permitindo-lhe uma abordagem mais próxima de um empowerment  feminino. A história narrada pela canção é simples: Jill almoçou sozinha. Esperou que Jack lhe telefonasse. Como ele não o fez, em vez de carpir mágoas tomou um cocktail com o Lee e foi a um espectáculo com o Joe. Pelo meio, esclarece Jack que este género de comportamento não resulta com ela, e que nenhum homem é suficientemente homem para lhe partir o coração. Por fim, deixa um aviso: se ele não aparecer à noite, vai vestir o seu melhor vestido e partir para a farra.

“Listen Jack your sweet Jill / Will be out with some Bill / Maybe I don’t cry over you”, canta ela. E quem a pode censurar? Até a dor de corno tem prazo de validade.

publicado por J.J. Faria Santos às 20:24 link do post
Setembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Uma clarificação em resposta a interpelação do lei...
Bom dia, Mas do que li pelo menos das citações que...
blogs SAPO