NO VAGAR DA PENUMBRA
11 de Outubro de 2016

rossi.jpg                                   "Forbidden Books" de Alexander Mark Rossi

                                             (Courtesy of Bert Christensen)

 

Em Fevereiro deste ano, em entrevista à revista Gentlewoman, Elena Ferrante  defendia o seu anonimato com o desejo de se manter afastada de “todas as formas de pressão social”, de não se sentir constrangida por uma “imagem pública”, tendo como ambição “concentrar-se exclusivamente e em completa liberdade” na escrita. Porque, explicava, fora do seu mundo literário, da autora restava apenas “uma vida privada comum”.

Claudio Gatti terá desvendado agora o nome por detrás do pseudónimo, com base nos seus rendimentos e no seu património, identificando-a como a tradutora Anita Raja. No artigo transcrito na New York Review of Books, Gatti relembra-nos que vivemos numa “era em que a fama e a celebridade são desesperadamente ambicionadas”, e que, apesar de Ferrante desejar resguardar-se, o sucesso dos seus livros tornara inevitável a busca da sua identidade. Não só discordo desta inevitabilidade, como me parece indiscutível que os livros dela jamais serão os livros da Anita. E há uma diferença abissal entre Anita e a Vizinha do Lado e A Amiga Genial. E essa diferença chama-se Elena. Tudo o resto é irrelevante, nomeadamente o produto da mescla de afã detectivesco com auditoria financeira de Claudio Gatti.

 

Numa interessante entrevista recheada de frases potencialmente controversas, concedida ao jornalista do Público Paulo Moura e publicada no passado dia 21 de Setembro, Arturo Pérez-Reverte ensaiou também respostas à indagação clássica da motivação do escritor para o exercício do seu ofício. Afirmando que escreve por prazer, fez questão de se demarcar dos escritores militantes, explicando que “o escritor não é uma missão humanitária, não é uma ONG. (…) O seu trabalho pode vir a ser útil para os outros, mas não é isso que o move.”

Na entrevista em que censurou vigorosamente o papel histórico da Igreja no atraso de Portugal, Espanha e Itália, o sistema educativo europeu “feito para esmagar a inteligência” e o Islão que considerou “incompatível com a democracia”, Pérez-Reverte defendeu que já estamos “a ter uma guerra de civilizações” (que iremos perder) e que “dentro de 20 anos, chegarão os fascismos”.

“Eu escrevo romances em legítima defesa”, proclamou. E como se pode depreender dos excertos acima transcritos, esta não é uma posição necessariamente de contenção e controlo de danos. É apenas o prólogo da ofensiva em nome do prazer de escrever livros que mudam “o olhar do leitor”.

 

 

publicado por J.J. Faria Santos às 20:34 link do post
Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Uma clarificação em resposta a interpelação do lei...
Bom dia, Mas do que li pelo menos das citações que...
blogs SAPO