NO VAGAR DA PENUMBRA
26 de Janeiro de 2016

No surreality show Palácio Cor-de-Rosa não foi permitido o televoto; a votação foi presencial. Marcelo S. teve a esperada e retumbante vitória. Seguindo na esteira dos concorrentes simpáticos e calorosos (o Zé Maria, o António), ele optou por uma participação afectuosa e popular. Ou então, soube jogar, como dirão as domésticas, as reformadas e a juventude sedenta de fama que tão bem sabem deslindar as manigâncias destes formatos. É verdade que num certo frente-a-frente descambou para a picardia com Sampaio N., mas isso foi apenas uma falha momentânea na fleuma ou um esgrimir lúdico da sua verve iluminada. Dos restantes concorrentes, destaque para o bom desempenho de Marisa M., relegando para lugares mais recuados o republicano, comunista e católico Edgar S. e a republicana, socialista e católica Maria B. Quanto a Vitorino S., entreteve-se a distribuir “santinos”, e logrou obter mais votos do que o grande combatente anti-corrupção, Paulo M., e do que o socialista de estimação de José Gomes Ferreira, Henrique N. E a voz? A voz é do povo. Que é quem mais ordena. Como disse, lá do seu lugar na esquerda da direita, o concorrente vencedor.

publicado por J.J. Faria Santos às 20:35 link do post
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Uma clarificação em resposta a interpelação do lei...
Bom dia, Mas do que li pelo menos das citações que...
blogs SAPO