NO VAGAR DA PENUMBRA
19 de Agosto de 2015

Num comentário sobre um livro da produtora do canal televisivo ESPN Justine Gubar, acerca das celebrações e dos tumultos no desporto, Sarah Begley explicava recentemente na Time que para além de factores como o álcool, a adrenalina e a ilusão do anonimato, é o sentimento de lealdade que funciona como detonador das acções em massa nos estádios. E terminava o breve apontamento fazendo notar que a palavra fã tem origem no latim fanaticus, que define uma “profunda devoção religiosa”.

No calor da refrega reinam as emoções, um erro do árbitro é inadmissível e inaugura sempre a suspeita da premeditação. Não haverá nos estádios de futebol nacionais comportamentos muito díspares durante os jogos. Porém, olhando para o banco do Sporting, a reunião da troika Bruno de Carvalho/Jorge Jesus/Octávio Machado promete um permanente memorando de desentendimento com adversários e instituições reguladoras. Porque se um permite que a sua autoconfiança resvale para a deselegância, os outros abusam da combatividade verbal e descambam com frequência para a boçalidade.

publicado por J.J. Faria Santos às 16:01 link do post
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Uma clarificação em resposta a interpelação do lei...
Bom dia, Mas do que li pelo menos das citações que...
blogs SAPO