NO VAGAR DA PENUMBRA
02 de Dezembro de 2015

Ian McEwan escreveu na New Yorker que “na Europa pós-cristã, os santuários espontâneos em locais onde ocorreram tragédias públicas se tornaram uma forma de arte popular”, e que “as velas, as flores e os cartões” são um testemunho de “algo profundo, mais vital que sobrenatural”, desgosto e sofrimento, sim, mas também uma “necessidade profunda” de fazer parte de uma “comunidade”.
É esta comunidade que, de acordo com a visão de Matt Vella na Time, se manifesta em Paris não de forma “vingativa mas digna e desafiante”. Vella descreve uma cidade que “transforma o vaguear sem destino em filosofia”, e que “constantemente se interroga ‘O que é a beleza?’ e coloca as hipóteses de resposta na rua para todos verem”.


Na terceira semana após os ataques terroristas, por entre as compreensíveis promessas políticas de combate impiedoso ao Daesh, a necessidade de preservar um estilo de vida assente na liberdade sem comprometer a segurança, e as por vezes levianas proclamações definitivas de especialistas instantâneos em terrorismo ou religião comparada, apetece fazer sobressair esta comunidade de cidadãos que esconjura o medo da morte para defender um modo de vida.

publicado por J.J. Faria Santos às 20:18 link do post
Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Uma clarificação em resposta a interpelação do lei...
Bom dia, Mas do que li pelo menos das citações que...
blogs SAPO