NO VAGAR DA PENUMBRA
27 de Fevereiro de 2011


Tecem-se loas ao seu profissionalismo, enaltecem-se as suas características antropomórficas, exaltam-se as suas performances e o seu potencial. Não duvido. Confesso, porém, que, a mim, me desagrada o aspecto cénico da coisa e o concomitante culto da personalidade. O ritual das marcações dos livres (os passos atrás, as pernas abertas,o olhar concentrado de sniper) parece-me demasiado uma resposta ao mediatismo, de quem aproveita cada acção para fazer um fashion statement. Mas é no domínio do uso da palavra que Cristiano Ronaldo derrapa, quando permite que a sua louvável autoconfiança, fruto da consciência plena das suas capacidades, se metamorfoseie em fanfarronice, a qual, e porque estamos a falar de um jogo, algumas vezes se estampa perante o carácter indomitável da sorte, mesmo que esta proteja os audazes, e não haja dúvidas que ele o seja.

publicado por J.J. Faria Santos às 17:16 link do post
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Uma clarificação em resposta a interpelação do lei...
Bom dia, Mas do que li pelo menos das citações que...
blogs SAPO